Dicas para acomodar de forma correta sua bagagem nas férias e organizar os volumes sem desrespeitar as leis de trânsito ou sacrificar o carro.

Feriado ou fim de semana. Chegou a hora de colocar a família no carro e pegar a estrada. Mas será que o porta-malas dará conta de acomodar toda a bagagem?

Para garantir que a viagem transcorra sem danos ou dores de cabeça, basta ficar ligado nas dicas a seguir:

  1. Atenção ao excesso de peso

Fique atento à capacidade de carga do carro – a informação está no manual do proprietário. Saiba que esse número inclui bagagem e pessoas. Então, some o peso de cada ocupante, mala ou bolsa – vale até passar na farmácia e pôr a bagagem na balança.

Vale lembrar: excesso de peso sacrifica o carro (suspensão, freios, pneus), aumenta o consumo e piora a estabilidade e frenagem.

Além disso, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) diz no artigo 231 que transitar com excesso de peso é infração média (4 pontos e R$ 85,13) sujeita à multa que tem valores acrescidos a cada 200 kg (vai de R$ 5,32 a R$ 53,20).

  1. Malas pesadas primeiro

Ao encher o porta-malas, deixe as malas mais rígidas e pesadas por baixo, de preferência na horizontal, o mais centralizado e próximo possível do encosto do banco traseiro.

Ou seja, jogar o peso maior sobre o eixo, para deixar o centro de gravidade mais baixo e não prejudicar a estabilidade.

“O ideal é tentar colocá-las o mais perto possível do centro do carro, próximo ao encosto ou à cabine, no caso de picapes. Isso contribui para que o centro de gravidade fique o mais baixo possível e ajuda na estabilidade”, explica Ricardo Dilser, consultor técnico da FCA (Fiat Chrysler Automobiles).

  1. Preenchendo o quebra-cabeça

Coloque malas maleáveis e mochilas por cima e nos lados, fechando espaços não aproveitados e folgas entre as bagagens. Se for levar peças pequenas, prefira caixas organizadoras e evite deixar itens frágeis ao lado ou sob peças pesadas.

Outra dica é usar embalagens a vácuo para levar roupas, que reduzem em até cinco vezes o volume transportado. Malas menores são melhores para montar esse quebra-cabeça que as grandes.

Ainda há brechas? Preencha com volumes pequenos, sacolas e calçados de forma que eles escorem as malas maiores e evitem que se desloquem na viagem.

  1. Por baixo do edredom…

Uma sugestão usual é, depois de arrumar o quebra-cabeça do porta-malas, cobrir tudo com um edredom. O material maleável e flexível envolve as bagagens, ajuda a segurá-las e você ainda pode ocupar qualquer vazio que esteja disponível com o tecido.

  1. Tudo tem seus limites

Em SUVs, hatches e peruas, não tire a cobertura do porta-malas e encha de tralhas até o teto. Isso tudo prejudica a visão do motorista e, em colisão ou freada, pode atingir os passageiros.

Aliás, a lei não é clara sobre malas na cabine. O CTB diz que carga em veículos de “transporte de passageiros só pode ser realizada de acordo com as normas estabelecidas pelo Contran”.

Já a resolução nº 26/1998 prevê que “o transporte de carga em veículos destinados ao transporte de passageiros, do tipo ônibus, micro-ônibus, ou outras categorias, está autorizado”.

Ou seja, não há nada específico para veículos de passeio, só o artigo que estabelece multa para excesso de carga.

  1. Rede de segurança

Se você é desapegado, solteiro, casado sem filhos e leva pouca coisa, compre aquela rede como acessório na concessionária. Presa a pequenos ganchos, ela evita que as solitárias malas fiquem sambando a cada curva.

  1. Velocidade vs. segurança

Bom ressaltar que, a uma velocidade de 80 km/h, qualquer objeto solto no carro pode ter o seu peso aumentado em até 80 vezes e causar ferimentos graves nos ocupantes.

  1. Rebatimento dos bancos

Rebater os encostos dos bancos de trás é válido para acomodar objetos mais compridos. Porém, é preciso que a bagagem esteja bem fixada.

  1. Cuidado com o pescoço!

Porta-malas de sedãs geralmente têm o famigerado pescoço de ganso, as alças (dobradiças) do sistema de abertura e fechamento da tampa. Ao arrumar o espaço, lembre-se de deixar um pequeno vão para a articulação não machucar sua bagagem.

  1. Bagagem no teto

Não coube tudo? Use um rack no teto. Mas prefira bagageiros homologados pela marca. Concentre os objetos pesados no centro e fixe-os bem, seguindo o manual.

A bagagem não pode exceder 50 cm de altura a partir do teto (exceto bicicletas) nem ultrapassar largura ou comprimento do veículo, sob risco de multa (5 pontos e R$ 127,69).

“O que vai em cima do carro conta como peso, que não pode exceder a carga útil. Isso está em todo manual do proprietário”, diz Henrique Pereira, da Sociedade de Engenheiros da Mobilidade (SAE Brasil).

Como esse volume afeta a aerodinâmica e estabilidade, dirija em velocidade 20% abaixo do limite permitido. Levar objetos que excedam as outras dimensões do veículo (prancha saindo pela janela, por exemplo) também não pode.

  1. Tem uma picape?

Acomode os volumes pesados na caçamba o mais próximo possível da cabine. E amarre as bagagens com cordas usando os ganchos na picape, para que não se desloquem ou caiam na via. Para proteger da chuva, as coberturas originais da caçamba são a pedida.

A lei permite que picapes andem com a tampa aberta para levar objetos longos, só que lanternas e placa não podem ser obstruídas. Além disso, o balanço traseiro total não pode superar 60% da medida do entre-eixos.

  1. Transportando bicicletas

Nesse caso some todo o conjunto (carro, suporte e bike) para não superar os 4,40 m de altura, o que é proibido.

Se for levá-las na traseira, saiba que não pode cobrir lanternas e placa. Nesse caso, solicite a placa secundária ao Detran e use luzes extras no próprio equipamento. Ah, e o suporte não pode ser mais largo que o veículo.

  1. Puxadinho

Outro recurso é se valer de carretas. É preciso verificar se o carro pode receber engate e depois prendê-lo seguindo a legislação: fixado ao monobloco, com fiação elétrica, placa e lanternas.

Lembretes

Vídeos de gente que destruiu a bicicleta no teto da garagem do shopping ou quebrou a carreta numa curva fechada não são raros. Ponha um aviso chamativo no painel para lembrar que o veículo tem dimensões extras.

 

Fontes:
Texto: quatrorodas.abril.com.br
(Por Fernando Miragaya)
Foto: Divulgação/Renault

Quer publicar uma matéria em nosso Blog? Envie para blog@redesato.com

Compartilhar