Confira as dicas para proteger peças de plástico, borrachas, couro, tecido e a pintura do seu veículo da incidência de raios nocivos.

Com o verão vêm as férias, a praia e a piscina. Mas ele também traz calor e sol forte, que maltratam diariamente seu automóvel.

A luz solar é composta por raios infravermelhos (IR), que têm maior incidência até 10 da manhã e após as 15 horas. Ela gera muito calor e acelera a decomposição de partes plásticas e borrachas, além de afetar a pintura em combinação com outros agentes.

Já os raios ultravioleta (UV) agem mais en

tre 10 e 15 horas e geram energia com capacidade de separar moléculas e acelerar o envelhecimento de componentes orgânicos, como plásticos, fibras sintéticas e tintas. Como nem sempre há sombra disponível, entenda os riscos que o sol causa no seu carro e saiba como protegê-lo.

 

Partes plásticas:

Efeitos

Os painéis de plástico geralmente são os que mais sofrem com o sol. Como estão em um ambiente fechado, recebem a radiação solar e o efeito estufa da cabine, que pode chegar a 80oC. Essa combinação acelera o desgaste do material do painel e cria uma aparência de ressecamento.

“Essa alteração química também faz com que o material perca sua pigmentação e sua maleabilidade e passe a ser um material mais rígido e cortante”, explica Paulo Pêgas, doutor em engenharia do transporte do Ibmec-RJ.

Cuidados e limpeza

Os especialistas sugerem algumas medidas simples para combater a ação do sol. Películas escuras nos vidros diminuem a sensação térmica no interior do veículo.

Além disso, sabe aquele velho protetor de papelão que se coloca no para-brisa ao estacionar na praia? “O protetor aluminizado faz a reflexão dos raios solares e, na teoria, protege o interior do carro da radiação, principalmente do UV”, sugere Pêgas.

Para limpar as partes plásticas, remova antes a poeira – vale também para revestimento de portas e para frisos e para-choques externos feitos do material. Passe um pano úmido à base de água e sabão neutro.

A maioria dos fabricantes não recomenda o uso de produtos de limpeza para plástico por não conseguirem aferir a qualidade de todos os rótulos. Porém, há quem recomende aplicar uma leve camada de marcas de origem confiável e de boa reputação uma vez ao mês para hidratar a peça e formar uma camada protetora contra as ações solares.

“É preciso pesquisar bem o produto que vai usar e estar atento se, além de hidratar, a solução tem componente que reforce essa parte de proteção”, orienta Ricardo Abe, gerente de engenharia da Nissan.

 

Tecidos:

Efeitos

Os tecidos tendem a ficar manchados e amarelados com a incidência constante do sol. Se combinados a líquidos derramados (refrigerante, suco etc.), podem resultar em manchas difíceis de remover e mau cheiro.

Cuidados e limpeza

Use aspirador de pó nos bancos e carpetes pelo menos uma vez por semana. Caso algum líquido seja derramado, limpe rapidamente o excesso com um pano úmido e depois passe uma solução com sabão neutro e deixe o automóvel aberto, na sombra, até tudo ficar seco.

 

Couro:

Efeitos

O couro é ainda mais sensível ao sol forte devido à sua composição. Os raios solares aceleram o aparecimento de rachaduras e manchas, além de desbotar o material com o tempo.

Cuidados e limpeza

No couro escuro, recomenda-se passar uma flanela seca uma vez por semana para retirar o pó. Para tons mais claros, pano úmido com sabão neutro e, por fim, um pano seco para remover a umidade. Nada de querosene, silicone, álcool ou vaselina.

E para hidratação, aplique produto específico em pouca quantidade. Vale passar um pano após a secagem para dar aquele brilho. E nunca use loção de hidratação corporal, isso é mito.

 

Borrachas e pneus:

Efeitos

O sol acelera a perda de vulcanização do processo de cola das borrachas das portas, do limpador de para-brisa e das que fixam os vidros. Ao longo do tempo, o material resseca e apresenta rachaduras e ondulações, perdendo o poder de vedação. O mesmo ocorre com os pneus, que ficam com aquele aspecto enrugado de pele de elefante.

Cuidados e limpeza

Após passar um pano seco, é a vez do pano úmido. Em casos de muita sujeira, misture um pouco de detergente líquido neutro. Alguns especialistas recomendam a aplicação leve de silicone ou glicerina, mas é importante que seja em pouca quantidade e que nunca escorra para os vidros.

Para as vedações do teto solar, há produto específico à base de vaselina, em geral vendido nas concessionárias. Quanto aos pneus, após a lavagem do carro pode-se passar limpa pneu, mas prefira o que for à base de água, e não de óleo.

Espalhe uma leve camada apenas na borracha em volta do aro, nunca nas ranhuras e na banda de rodagem. Depois, remova o excesso com um pano seco.

 

Pintura:

Efeitos

As radiações UV podem resultar em defeitos na pintura automotiva, como craquelamento do verniz, delaminação, foto-oxidação ou descoloração.

Já o IR causa danos à pintura em combinação com algum outro componente químico presente no meio ambiente, como fezes de pássaros. Em exposição ao sol, a combinação pode causar danos na área suja, como se fosse um ataque químico, resultando em manchas.

Cuidados e limpeza

O ideal é sempre que possível retirar o excesso de poeira. Pó e fuligem expelida por veículos pesados em combinação com a poluição do ar e o sol podem ter efeito ácido na lataria e danificar a pintura. Além disso, deve-se lavar o carro a cada uma ou duas semanas, sempre na sombra e com a carroceria fria.

Encerar o carro pelo menos uma vez por mês também mantém uma camada protetora contra a sujeira e o sol.

“O enceramento ajuda a remover algumas sujeiras superficiais que, combinadas com o efeito da radiação solar, podem levar o metal do carro a temperaturas acima de 50oC, causando danos à pintura”, explica Fábio Shimozato, do Laboratório de Desenvolvimento da Basf, fabricante de tintas automotivas.

É preciso ficar atento também a riscos mais profundos e batidas, principalmente em cidades litorâneas ou com um índice de umidade alto. O polimento – que usa ceras mais abrasivas – é recomendado para proteger essas partes danificadas e evitar um princípio de corrosão em casos extremos.

 

Fontes:
Texto: quatrorodas.abril.com.br
(Por Fernando Miragaya)
Foto: Marcos Torres/Spiral 3/Quatro Rodas

Quer publicar uma matéria em nosso Blog? Envie para blog@redesato.com

Compartilhar