GNV: prós e contras e o que saber antes de instalar o kit gás – Rede Sato

O Gás Natural Veicular GNV já foi mais popular no Brasil, especialmente se você roda muito. Mas ele ainda gera dúvidas.

Muito conhecido entre taxistas e motoristas profissionais, o kit de Gás Natural Veicular, o popular GNV, já foi uma febre no país. Hoje, ele é menos usado nos veículos particulares. Ainda assim, recebemos muitas perguntas de leitores. Pensando isso, o iCarros elaborou uma guia com as principais dúvidas.

O que é o GNV?

Sem aditivos ou variações, o Gás Natural Veicular (GNV) é o combustível mais puro encontrado nas bombas dos postos e é também o mais em conta. Ele é encontrado acumulado nas mesmas jazidas de onde se extrai o petróleo. É então encanado e distribuído diretamente para os postos, dificultando a adulteração. Vale lembrar que o GNV (gás natural veicular) é vendido em metros cúbicos (m³). E nunca confunda o GNV com o gás de cozinha (GLP).

Quem pode instalar o GNV?

Hoje não existem mais veículos que saem de fábrica no Brasil aptos a rodar com o gás GNV. Por isso, é preciso procurar uma oficina credenciada para adquirir e instalar o kit. Não existem restrições de marca, modelo, ano ou tipo de carroceria que impeça a instação. O kit pode ser colocado em qualquer veículo, com carburador ou sistema de injeção eletrônica.

Quanto custa instalar o kit GNV?

O kit com a instalação varia de acordo com o tipo a ser usado, já que há diferentes gerações do sistema disponíveis. Em média, varia entre R$ 3.000 e R$ 5.000.

Quanto leva leva a instalação do kit GNV?

Em média, o tempo para fazer a instalação varia de três a sete horas.

Quais são as vantagens do GNV?

Além de ser mais difícil de adulterar, o GNV é mais barato, emite menos poluentes e ainda tem maior rendimento. Por isso ele é mais vantajoso para quem roda bastante. Além disso, alguns Estados brasileiros oferecem desconto no IPVA para os modelos movidos a Gás Natural Veicular. E se o proprietário quiser ou se estiver em uma região sem postos com GNV, ainda é possível abastecer o carro com gasolina ou etanol.

Quanto irei economizar em combustível usando GNV?

Não existe uma conta exata. Porém, o GNV consegue rodar, em média, 30% a mais quando comparado à gasolina e pode chegar a 50% a mais em relação ao etanol. Esses dados dependem do estilo de condução do motorista e do uso do veículo.

Onde instalar o kit GNV?

A instalação deve ser feita em uma oficina autorizada, cuja lista está disponível no site do Inmetro (Instituto Nacional de Normalização, Qualidade e Tecnologia).

Quais são as desvantagens de usar GNV?

É preciso alterar a documentação do veículo, o que gera custos extras (leia mais abaixo), se o veículo for novo haverá perda da garantia de fábrica, o espaço no porta-malas será reduzido para abrigar o cilindro se você deixá-lo dentro do carro e ainda existe uma menor oferta de postos com esse tipo de combustível na hora de abastecer. Além disso, pode haver aumento nos gastos com a manutenção do veículo, já que algumas peças deverão ser substituídas em um prazo menor. Por fim, em alguns modelos, pode ocorrer perda de potência e redução no desempenho.

Como regularizar o documento de um carro com kit gás?

Para adaptar um veículo para o uso do Gás Natural Veícular, primeiro é preciso solicitar a autorização do Detran de seu Estado. Somente com a autorização prévia é que o proprietário pode fazer a instalação. Exija do instalador a nota fiscal do serviço e do kit com a discriminação de todos os componentes instalados.

Após a instalação, o proprietário tem o prazo de cinco dias corridos para realizar a inspeção, que dever ser realizada em um local acreditado pelo Inmetro. Uma vez aprovado, será emitido o Certificado de Segurança Veicular (CSV) e o selo do Inmetro, que poderá ser guardado junto com o documento do veículo ou colado no para-brisa – mas uma vez retirado do para-brisa, o selo é automaticamente destruído.

O passo seguinte é fazer a vistoria no veículo exigida pelo Detran. Com todas essas etapas concluídas, será emitido um novo CRV (Certificado de Registro de Veículo) com a observação de modificação e o que foi alterado, no caso o combustível. E não se esqueça também de que os veículos adaptados para rodar com GNV precisam refazer a inspeção para emissão do Certificado de Segurança Veicular (CSV) anualmente.

Posso instalar o cilindro embaixo do carro?

Isso é permitido segundo as regras do Inmetro, mas há especificações que devem ser seguidas. Em muitos modelos, o cilindro não cabe sob o chassi de forma segura, o que exige que ele seja então instalado dentro do porta-malas.

Onde abastecer um veículo movido a Gás Natural Veicular?

O ideal é sempre abastecer em um posto autorizado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo), cuja relação está disponível no site.

Quais são os procedimentos corretos na hora de abastecer com GNV?

Primeiro, o frentista deve fazer o aterramento junto à válvula de abastecimento. E as pessoas nunca devem ficar dentro do carro: existe até uma lei que determina que os ocupantes devem sair do carro durante o abastecimento. Os outros procedimentos de segurança são desligar motor, faróis, sistema de som e todos os equipamentos eletrônicos, desligar também o aparelho celular, abrir as portas e o porta-malas e, obviamente, não fumar. Após o abastecimento, verifique se a mangueira de abastecimento foi devidamente desconectada antes de ligar o veículo.

O que fazer se sentir cheiro de gás vazando?

A medida a ser adotada é fechar a válvula do cilindro ou utilizar o dispositivo de corte rápido nos equipamentos que dispõe desse acessório. Procure então imediatamente uma oficina credenciada para fazer a verificação.

Preciso ter gasolina ou etanol no tanque de um carro convertido a GNV?

Sim, porque a partida é feita com gasolina ou etanol e somente após a partida no motor é que o sistema altera para o GNV. Nos veículos com injeção eletrônica, essa operação é automática. Contudo, em motores carburados, essa operação precisa ser feita manualmente, conforme instruções do próprio Inmetro.

E preciso rodar com esses combustíveis embora tenha o GNV?

Sim, é recomendado rodar diariamente pelo menos um a dois quilômetros com combustível líquido para manter a lubrificação e o bom funcionamento do sistema. Nos sistemas mais modernos, essa troca de combustível é feita automaticamente.

 

 

Fontes:
Texto: www.icarros.com.br
(Por Anamaria Rinaldi)
Foto: Divulgação

Quer publicar uma matéria em nosso Blog? Envie para blog@redesato.com

Compartilhar